4 mitos relacionados à segurança do software

Entenda porque investir em segurança de softwares é vital para a empresa desmistificando esses quatro paradigmas!

4 mitos relacionados à segurança do software

Adotar medidas que garantam a segurança do software é fundamental para evitar problemas e assegurar que os dados da empresa e de seus clientes não parem nas mãos de pessoas mal intencionadas. Para isso, planejamento, conhecimento técnico e a automação de processos são muito importantes.

Apesar de os perigos que existem na internet, como hackers e ransomwares, serem de conhecimento geral, muitas pessoas ainda deixam de lado a questão de segurança de software por motivos que vão desde o barateamento do projeto até a incapacidade técnica de fazê-lo.

No artigo de hoje vamos desmistificar quatro aspectos ligados à segurança do software. Confira!

 

1) É caro

Vamos começar por um dos argumentos mais utilizados para deixar a segurança do software de lado: o custo. Mas, em vez de fazer contas vamos pensar no seguinte cenário: um hacker invade o banco de dado de sua empresa, sequestra os dados e paralisa toda a operação.

Quanto custa para a sua empresa ficar dois dias totalmente parado? Quanto custa para a imagem de sua marca quando o público souber o que houve? Prever problemas, criar políticas de gestão e investir na segurança de softwares e bancos de dados certamente é mais barato que arcar com tudo isso.

Vale ressaltar, também, que graças à terceirização e à automação de processos, os investimentos em segurança já não são tão grandes como há alguns anos. Assim como os vírus e ameaças evoluem, as ferramentas e empresas focadas na defesa da informação também progridem e conseguem baratear processos.

 

2) Existe uma solução universal

Outro paradigma muito difundido sobre o desenvolvimento de softwares é o fato de existirem programas ou aplicações que garantem 100% a segurança das informações. O principal motivo que faz dessa crença um mito é o fato de a segurança envolver toda a empresa e não apenas o time de TI.

Além dos aspectos técnicos, como implementação de antivírus e firewall, difundir as melhores práticas de segurança para todos os colaboradores e criar uma hierarquia bem definida de acesso à rede são ações fundamentais que vão além de qualquer solução universal.

 

3) Há aplicativos que podem ficar de fora

A lógica é bem simples: se a aplicação utiliza a internet, ela está exposta a ameaças externas. Por mais que o aplicativo seja utilizado apenas por funcionários, ou até mesmo só pelos diretores da empresa, um simples smartphone infectado pode ameaçar a segurança dos dados da companhia.

Justamente por isso, é fundamental eliminar toda e qualquer possibilidade de invasão logo no desenvolvimento da aplicação. Da mesma maneira, as atualizações devem considerar os aspectos de segurança para que não surjam brechas no código.

 

4) É impossível convencer os diretores a investir nisso

Esse é um argumento muito utilizado por gerentes e coordenadores que simplesmente não conseguem convencer a diretoria a investir na segurança do software. Além de constar nos principais manuais e referências de gestão da informação de TI, como o ISO 30001:2018 e o PMBok, também é possível utilizar os números!

Você pode, por exemplo, fazer a conta de quanto custaria para a empresa ter suas operações suspensas por um dia. Ou então, calcular quanto seria o prejuízo caso dados de mercado e segredos industriais caiam nas mãos das pessoas erradas. Para convencê-los, procure focar mais no potencial prejuízo do que no investimento propriamente dito.

Quer conversar mais sobre esse assunto? Então entre em contato e fale com um de nossos especialistas! Ficaremos felizes em atendê-lo!