Acordos de Confidencialidade: de que se tratam?

acordos de Confidencialidade do que se tratam

Acordos de Confidencialidade: de que se tratam?

Quando o assunto é segurança da informação, é comum direcionarmos a atenção para casos de roubo de dados. Mas há outras possibilidades que levam ao vazamento de informações e, por isso, firmar Acordos de Confidencialidade é necessário.

No post de hoje, explicaremos melhor do que se tratam esses acordos. Assim, você vai entender que, além da adoção de tecnologias como um software de segurança, sua empresa precisa de outras medidas simples e eficazes para se manter protegida. Continue a leitura e saiba mais!

 

O que é um Acordo de Confidencialidade

O nome permite deduzir que um Acordo de Confidencialidade é um contrato que firma entre as partes o compromisso de manter informações em sigilo. É também conhecido como Acordo Secreto, Acordo de Não Divulgação ou Non Disclosure Agreement (NDA).

Esse acordo se torna cada vez mais conhecido, sobretudo em razão do desenvolvimento de projetos tecnológicos. É utilizado para evitar que qualquer um dos envolvidos divulgue informações estratégicas sobre a empresa desenvolvedora, seus contratos, processos e, claro, sobre o próprio projeto.

O contrato firmado estipula regras de conduta, direcionando as partes quanto àquilo o que podem ou não compartilhar e, ainda, determina as eventuais consequências para quem descumpri-lo.

 

A importância desse Acordo

Ao fazer a gestão de vulnerabilidades de uma empresa, é comum se ater à brechas de segurança relacionadas aos riscos inerentes ao uso de tecnologias conectadas à rede.

São consideradas falhas em equipamentos ou em processos que levem à criação de um ambiente favorável para a entrada e ação de ameaças cibernéticas. Como um vírus que infecta a rede corporativa graças à abertura de um link suspeito, por exemplo.

Frente a essa e a outras situações ainda mais graves, empresas recorrem à softwares de segurança e a outras tecnologias e estratégias para detectar vulnerabilidades e corrigi-las em tempo.

Há casos, porém, em que o vazamento de informações sigilosas não se dá pela ação de um malware ou hacker. Um simples post em uma rede social, relatando a participação em um projeto da empresa, pode revelar informações sobre ele aos concorrentes.

Para evitar situações desse tipo, intencionais ou não, o Acordo de Confidencialidade se faz necessário. Por meio dele, ficam esclarecidas quais ações prejudiciais à empresa precisam ser evitadas, seja para um projeto específico ou para sua atividade como um todo.

Assim, a confidencialidade pode abranger a todos os colaboradores da empresa, fixos ou temporários, e também a eventuais parceiros externos de outsourcing de TI.

 

 

Quais os itens fundamentais do acordo

O cenário ideal é aquele em que o Acordo de Confidencialidade é elaborado por um advogado ou assessor jurídico. Dessa forma, seja para proteger ideais, processos, serviços ou transações, certifica-se da criação de um contrato claro e devidamente elaborado.

Em todo caso, é preciso considerar alguns itens fundamentais para pautar o documento:

  • Indicação do projeto ou atividade sobre qual as informações devem ser mantidas em sigilo;
  • Definição de quais as informações são confidenciais e que, portanto, não podem ser divulgadas sem autorização das partes envolvidas;
  • Definição da duração do Acordo de Confidencialidade, explicitando por quanto tempo, mesmo após o fim do projeto ou atividade, o sigilo deve ser mantido;
  • Indicação de quais as consequências e penalidades a serem aplicadas para quem descumprir o Acordo e violar os termos dessa medida de segurança da informação.

Gostou do post? Leia também Saiba quais são os principais tipos de sequestro de dados!