As férias acabaram: como vai a segurança na sua escola?

Segurança na escola

As férias acabaram: como vai a segurança na sua escola?

O processo de escolha de uma instituição de ensino para os filhos considera diferentes fatores. Dentre eles, um bastante relevante e que pode contribuir para a decisão final é a segurança do local.

Por isso, escolas precisam se preocupar em proteger seu espaço, seus alunos e, também, os seus colaboradores. E isso vale tanto para o ambiente interno quanto para a área ao redor. Você já sabe como avaliar a situação de sua instituição e garantir sua proteção?

 

# Análise de riscos

O primeiro passo para garantir a segurança de uma escola é realizar uma profunda análise dos riscos aos quais ela está exposta. Ao conhecer as fraquezas e situações que mais ameaçam a instituição, torna-se mais fácil entender do quê ela precisa se proteger e como pode fazer isso com sucesso.

Cada ambiente possui riscos diferentes, então não basta seguir medidas “padrão” de segurança com base somente no que se sabe de outras instituições de ensino. É preciso considerar as características próprias que vão demandar medidas específicas.

Para tanto, é preciso analisar as fragilidades dos ambientes interno e externo e a estrutura física da escola. Avaliar o uso de sistemas eletrônicos, a ação de equipes especializadas e definir normas claras de segurança.

 

# Controle de acesso

Uma parte das normas e medidas de segurança a serem estabelecidas para a escola precisam dar conta do acesso ao local. É comum, por exemplo, contar com o uso do uniforme como estratégia para a identificação de alunos, visando evitar a presença de desconhecidos.

Porém, o uso de uniformes nem sempre é regra e tampouco pode ser considerado medida suficiente. Assim sendo, é preciso contratar profissionais que façam acompanhamento atento do fluxo de entrada e saída e estabelecer rigoroso controle de visitantes.

É interessante também investir em sistemas eletrônicos de acesso e em câmeras de segurança. Assim, certifica-se de que apenas pessoas devidamente cadastradas adentrem no perímetro da escola e que seja possível identificar eventuais falhas.

 

# Boas práticas

Há algumas práticas que podem ser adotadas para potencializar as medidas de proteção da instituição. Por exemplo, uma vez que as normas de conduta forem devidamente definidas, é importante que a escola conscientize todos os seus colaboradores e invista no treinamento da equipe diretamente ligada à segurança.

Para tanto, a formalização dos procedimentos de rotina e emergenciais a serem seguidos por essa equipe se faz necessária. Assim, aumentam-se as chances de que a segurança da escola seja padronizada, evitando falhas por eventuais arbitrariedades.

 

# Emergências

Escolas precisam elaborar um plano de operações de emergência. Ou seja, uma espécie de manual que contenha orientações claras quanto ao que fazer em situações que fogem às demandas comuns da segurança local.

É o caso de a instituição precisar lidar com emergências médicas, por exemplo. Ou de autorizar um bloqueio (que permite a entrada e saída de qualquer pessoa) caso haja uma situação de risco na porta da instituição. Vale também para ações de evacuação em razão de problemas internos que precisam ser administrados com cautela e precisão.

 

# Prevenção de crimes no entorno

Como dito no início do post, a segurança da área ao redor da escola também é uma preocupação. Considerando o que está ao alcance da instituição, é possível seguir dicas como:

  • Melhorar a iluminação no entorno do perímetro;
  • Instalar câmeras de segurança em pontos estratégicos;
  • Designar uma equipe de segurança para fazer rondas externas;
  • Firmar parcerias com a polícia militar local;
  • Atuar pela conscientização de alunos, pais e empresas de transporte escolar.

Gostou da leitura? Para garantir a proteção de sua escola, você pode contar com ajuda especializada. Confira nosso post sobre Consultoria em segurança e saiba mais!

 

Ebook grátis – clique e baixe o seu.