As melhores tendências tecnológicas do mercado de segurança em 2017

Por Johan Paulsson

As lojas estão ficando cheias e, dependendo de qual hemisfério você mora, ou é hora de ligar o aquecedor ou tirar do armário os shorts e óculos escuros. Mas também é hora de olhar adiante em 2017 e se perguntar o que este ano reservou para nós. Certamente continuará havendo muitas incertezas em nível geopolítico, mas quanto à indústria de segurança física, isto é o que achamos que vai ocorrer:

Segurança enquanto serviço

Esperamos que os clientes comecem a ver sua própria segurança como um serviço – hospedagem profissional e remota e monitoramento de vídeo transmitido do local onde o cliente está. Isto não somente vai liberar recursos internos que poderiam estar focados em outra coisa, mas também melhorar os níveis de serviço, permitir melhor gerenciamento de dispositivos e fortalecer a segurança on-line. Veja o infográfico para compreender o básico sobre serviços hospedados.

Soluções integradas

A indústria da segurança continuará com suas tendências de oferecer soluções mais específicas para situações particulares. Por fim, clientes não buscam comprar hardwares/softwares – o que eles realmente querem é reduzir pequenos furtos em lojas, ou certificar-se de que apenas certas pessoas tenham acesso ao caixa, ou monitorar potenciais ameaças em aeroportos. A convergência do hardware para soluções de ponta a ponta poderão atender problemas específicos de segurança. Elas consistem em câmeras de alta performance, controles de armazenamento e acesso firmemente integrados com gerenciamento de vídeo e ferramentas de análise. Esta abordagem será mais fácil de ser comprada, instalada e implementada pelos consumidores, oferecendo um ótimo retorno sobre o investimento.

Uso extensivo de análise

Enquanto o vídeo de alta qualidade é uma característica central das câmeras de segurança modernas, por fim esta informação precisa ser acessada e analisada antes que uma decisão possa ser tomada como resposta ao conteúdo. Os avanços recentes na tecnologia das câmeras, tais como imagens térmicas e capacidades aumentadas de captação com pouca luz são melhoras significantes. Mas no fim das contas, elas apenas geram mais gravações do que precisamos assistir/revisar. A indústria de segurança tem trabalhado duro em softwares de análise de vídeo que funcionem em tempo real para ajudar profissionais a tomar decisões bem informadas. Esperamos ver 2017 como o ano em que essas novas capacidades sejam combinadas com análise em tempo real para abordar diversos desafios de segurança, incluindo reconhecimento facial, análise forense e proteção de perímetro.

Aprendizagem aprofundada

Com todos esses dados sendo recolhidos, estamos vendo as tecnologias de aprendizagem aprofundada serem amplamente utilizadas dentro da indústria de segurança. Com mais dados sendo recolhidos, os computadores podem começar a aprender qual comportamento é esperado de certas localidades ou ambientes típicos e identificar incidentes quando atividades inesperadas ocorrem. Este é apenas o começo e é algo em que vale a pena ficar de olho.

Além do vídeo

A segurança física não envolve apenas observar pessoas/lugares/coisas. Também tem a ver com o acesso a lugares, comunicação e gerenciamento de emergências – e às vezes ter que fazer esse tipo de coisa de uma distância significativa. Então vemos 2017 como o ano em que sistemas de segurança física totalmente integrados, compreendendo câmeras, portas inteligentes, interfones e alto-falantes se tornam viáveis.

Cibersegurança

A “Internet das Coisas” deixou de ser uma expressão da moda e passou a ser uma realidade comum, mas não sem seus desafios. Enquanto ainda pensamos que a ideia de milhões de dispositivos com IP ativado seja uma prospecção animadora para o futuro, 2016 nos relembrou com sobriedade das armadilhas de não proteger todas essas geladeiras, DVRs e câmeras de segurança conectadas à internet. A Axis sempre levou a sério a segurança de seus clientes, mas certamente veremos 2017 como o ano em que todos os produtores farão disso uma prioridade. O maior desafio que vemos na cibersegurança é encontrar o equilíbrio real entre sistemas/dispositivos seguros e a complexidade/facilidade de uso. Continuaremos a reforçar nossas ofertas existentes e a facilitar para que nossos clientes mantenham suas redes e dispositivos seguros.

Conclusão

Achamos que a Internet das Coisas deve ter a ver com uma segurança melhor e negócios, organizações e cidades mais eficientes graças a câmeras, portas e equipamentos de áudio inteligentes com conexão à rede. 2017 vai deixar tudo mais inteligente nestes dispositivos, enquanto também permitirá que clientes se foquem no que fazem melhor para que especialistas em segurança melhorem os serviços que oferecem.

Qual é a sua opinião? Por favor, divida conosco!

Este artigo foi traduzido do site da Axis.