Diferenças entre análise e gestão de vulnerabilidades

Conheça melhor cada um desses processos e saiba como eles se relacionam!

Diferenças entre análise e gestão de vulnerabilidades

A conversa em torno do tema vulnerabilidade corporativa se intensificou nos últimos tempos. A série de ataques de ransomwares e os consequentes prejuízos causados a empresas colocou em evidência a necessidade de investir em ciber segurança.

Um estudo do Norton Security Insights mostrou que o cibercrime gerou um prejuízo de US$ 22 bilhões para o Brasil só em 2017. Diante desse cenário, em busca de soluções de proteção, as empresas se deparam com a necessidade, primeiro, de conhecer suas próprias fraquezas para então saber como lidar com elas.

E é para ajudar você a vencer esse desafio que fizemos este post. Esclarecemos a diferença entre análise e gestão de vulnerabilidades para que você entenda como se relacionam e contribuem para a segurança da sua empresa. Vamos lá?

O que é análise de vulnerabilidades

A análise de vulnerabilidade é um processo que permite à uma empresa identificar falhas de segurança em seus processos, programas, aplicações e equipamentos.

É possível que essa avaliação seja feita de forma manual por profissionais do setor de TI. Ou, ainda, com o auxílio de um software de segurança desenvolvido para aplicar de forma automática os testes que identificam problemas. O que, sem dúvida, contribui para tornar o processo mais rápido e assertivo.

Por meio da análise de vulnerabilidades, portanto, a empresa identifica o que seu departamento de TI ou a equipe de terceirização de TI parceira do negócio precisa corrigir. Assim, reúne condições para realizar um trabalho pontual com o objetivo de eliminar riscos e fugir de ameaças que possam causar desde a paralisação das atividades a prejuízos graves.

O que é gestão de vulnerabilidades

Em um primeiro momento, a explicação do que é a análise de vulnerabilidades não deixa clara a sua diferença em relação à gestão. Afinal, pode parecer que a gestão de vulnerabilidades é justamente o referido trabalho pontual de identificar e corrigir problemas.

Diferente disso, porém, um trabalho de gestão é algo que pressupõe um esforço constante. Se você já leu nosso post Gestão de Vulnerabilidade: entenda a importância, viu nossa explicação que indica que esse é um processo em que as análises são feitas repetidas vezes, de forma contínua.

O que significa que a gestão de vulnerabilidades depende da análise de vulnerabilidades. E que é, ainda, uma forma de levar adiante as ações corretivas e preventivas e garantir que a empresa esteja sempre segura.

Não basta analisar, é preciso gerenciar

Com tudo isso, podemos dizer que fazer análises esporádicas vai sim ajudar a sua empresa a identificar falhas em aplicações, na rede ou em softwares, por exemplo. Mas não vai garantir a devida proteção.

Isso porque novas brechas de segurança podem surgir. Em geral, estão associadas à falha humana ou falhas nos sistemas e equipamentos. E, por isso, é preciso garantir que análises sejam feitas e refeitas continuamente.

E para que esse processo contínuo não se torne trabalhoso demais, sua empresa pode recorrer aos já mencionados softwares de segurança. Ou, ainda, apostar no outsourcing de TI e contar com ajuda terceirizada e especializada.

Vale ressaltar que os especialistas têm mais conhecimento e expertise para detectar e solucionar até mesmo vulnerabilidades corporativas consideradas novas ou pouco conhecidas.

 

Sua empresa já faz a gestão de vulnerabilidades? Compartilhe sua experiência nos comentários!